buena-onda-logo

Buena Onda - 2006 - Todos os direitos reservados.

Discografia: Nenê.

Ficha Técnica.
Duração: 60
min.
Estilo musical: Jazz brasileiro, Jazz, Música Contemporânea Brasileira, Música Instrumental.
Descrição:No programa deste mês recebemos ao multi-instrumentista Nenê, que muito a vontade contou sobre o início de sua carreira e do seu trabalho junto a grandes nomes da música brasileira.
Site: www.comum.com/nene - E-mail: nene@comum.com

<<Programa #05 - 2006 - Nenê: Um músico completo.

ouca agora4
download
nene1

Release: Nenê
Nascido em Porto Alegre, Realcino Lima Filho ou Nenê como é conhecido, começou a tirar seus primeiros sons de um pequeno pandeiro de plástico, daqueles de brinquedo, o que foi incentivado por seus pais, bom vivants e amantes da música. Então o menino passou a acompanhar seu pai em festas, sempre acompanhado de seu pandeirinho.

Dado algum tempo seu pai decidiu que o pandeiro não iria levar o menino muito longe e como bom gaúcho, compro-lhe um acordion e o fez estudar. A princípio não gostava do instrumento passando a se interressar por ele ao ouvir Breno Sauer e Canela, no rádio. Por volta do quinza anos de idade entrou para um grupo de música regional que tocava em bailes, programas de tv e na zona. O grupo era muito bem organizado e cada integrante se encarregava de uma tarefa, instrumentos, roupas de apresentação, contatos, etc. Quando a banda se desfez, Nenê que já estava de olho na bateria, na hora da partilha consegui o que queria.

Passou a estudar freneticamente a bateria e uns dois anos mais tarde partiu para São Paulo acompanhado de um contrabaixista e o pianista Cidinho, hoje radicado em Nova Iorque. Com a dissolução do trio e as contas da pensão na Rua Aurora atrasadas, decidiu acompanhar o guitarrista Almir Stockler, o Alemão, tocando piano, na boate Black and White. Nenê que já havia estudado piano amadoristicamente, mas jamais tinha se apresentado. Entre os diversos trabalho em boates, conheceu o pianista Aloízio Pontes, com quem aprendeu muito de piano e jazz. Foi ele também quem apresentou Nenê ao Hermeto Pascoal.

Com a ida de Airto Moreira, então baterista do Quarteto Novo, para os Estados Unidos, Nenê se candidatou à vaga. Hermeto lhe deu a sacola de percussão do Airto e um disco do Quarteto. Nenê foi para seu quarto na pensão e varou a noite tirando as músicas do disco até a hora da audição no dia seguinte. Com todas as músicas decoradas, Nenê foi imediatamente aceito, passando a integrar o histórico quarteto.

Com a dissolução do quarteto, Nenê voltou a tocar na noite e um dos grupos que integrava passou a fazer sucesso recebendo um convite para apresentar-se no Japão. Pouco antes de partir encontrou mais uma vez Hermeto que o convidou a entrar para seu novo grupo. Imediatamente ligou para o empresário do grupo e depois de muita discussão acabou convencendo-o a não levá-lo para o Japão.

Mudou-se para o Jabur, no Rio, onde morava Hermeto, para entrar na rotina de oito ou mais horas diárias de ensaio. Com o mestre, gravou dois discos antológicos, Zabumbê-bum-a e Hermeto Pascoal ao vivo em Montreux, excursionando excursionando pela América Latina, Europa e Ásia.

Dois anos mais tarde é convidado por Egberto Gismonti a integrar sua “Academia de Danças”. No mesmo ano viaja para Europa para gravar o álbum de Egberto, Sanfona, lançado pelo selo ECM. Participou da turnê de divulgação do disco, apresentando-se em 45 países, sendo o último show em Paris onde instalou-se e viveu pelos próximos doze anos. Lá grava seu primeiro álbum “Bugre” eleito pela conceituada revista francesa JazzHot como um dos dez melhores discos do ano. Fato que lhe abriu portas e conquistou o respeito dos franceses levando-o a tocar com os músicos mais representativos daquele país. Lá escreveu também um livro completo de ritmos brasileiros para bateria, lançado na França pela editora Zurfluh.

Na Europa participou de diversos trabalhos que incluem um convite para compor, arranjar e reger a Orquestra Nacional de Jazz da Dinamarca, com transmissão ao vivo pela rádio estatal, até a gravação de uma trilha sonora ao lado do guitarrista suíço Vinz Vonlathan. Em suas visitas ao Brasil tocava arranjava e compunha para o grupo Pau Brasil, junto com o qual compôs e apresentou a Ópera dos Quinhentos Anos, em comemoração à descoberta da América.

Nenê já deu algumas voltas ao mundo, acompanhado de formações de dar água na boca. Com suas próprias formações multinacionais (formada por músicos brasileiros, dinamarqueses, franceses) em trio ao lado de Hermeto ao piano e Arismar do Espírito Santo no contrabaixo, com Elis Regina, Milton Nascimento, e um quarteto formado por ele, Egberto Gismonti, Charlie Haden e o famoso guitarrista francês Michel Portal.

Atualmente vem trabalhando as músicas de seu recente trabalho “Caminho Novo”, acompanhado por dois jovens talentos, Alberto Lucas no contrabaixo e Guilherme Ribeiro ao piano, o disco trás composições suas e dois temas do pianista. Nenê já tem material gravado para o próximo disco que desta vez conta também com os sopros certeiros de Vinícius Dorin.

- Bugre (1983)                               
- Ponto dos Músicos (1984)
- Minuano (1985)                            
- Suíte Curral Del Rey (1997)
- Trio A Pampa (1997) 
- Frederah e Nenê - Instrumental no CCBB (1997 )                   
- Porto Dos Casais (1998)                             
- Caminho Novo (2003)
- Ogã ( 2005 )

 

Para baixar o arquivo mp3 deste programa, clique com o botão da direita no ícone “download mp3” e selecione a opção “Salvar Destino Como...”, defina o local onde deseja salvar o arquivo no seu computador. Assim que o arquivo for baixado por completo você poderá ouvi-lo em seu player de prefêrencia.

mfb_style_cabecalho